Início » Mobile App Talks | Episódio #7 – Tendências: Como manter usuários engajados
mobile app talks - usuários engajados

Mobile App Talks | Episódio #7 – Tendências: Como manter usuários engajados

Bem-vindos ao episódio do Mobile App Talks, o podcast produzido pelo RankMyApp, empresa referência global em inteligência de marketing e gestão de mídia para aplicativos mobile. Aqui, trazemos diversas histórias sobre inteligência de dados do mundo mobile para compartilhar com você. 

Nossa host, Juliana Assunção, CMO do RankMyApp, trouxe dois convidados especiais no episódio de hoje: Jocasta, Growth Lead na Loft, e Lucas Matsukura, Account Manager Coordinator no RankMyApp.

No bate-papo, nós vamos falar sobre como manter usuários engajados no seu aplicativo, SuperApps, tendências de aplicativos para 2022, como facilitar a jornada do usuário, o que está acontecendo no cenário atual do mercado de aplicativos, plataformas e muito mais. 

Boa leitura!

Mobile App Talks – Episódio 7 | Tendências de Aplicativos: Como manter usuários engajados

Desde a pandemia, e agora mais do que nunca, houve um boom de aplicativos. Eles se tornaram carro-chefe de muitas empresas que antes nem pensavam em fazer um app ou tinham e o negligenciaram. 

Foi durante 2020 que aconteceu a principal captação de usuários e não é segredo que tecer essa base é difícil, há muita competição na hora de atraí-los.

E para falar desses desafios e trazer insights, convidamos a Jocasta Bortolacci Growth Lead na Loft e o Lucas Matsukura, Account Manager Coordinator no RankMyApp.

Abaixo, falaremos mais sobre o que foi abordado durante o programa e no final você encontra o link para conferir o 7º episódio do podcast da Mobile App Talks.

Os principais desafios dos aplicativos em 2022

Durante o bate-papo, o Lucas e a Jocasta apontaram os principais desafios dos aplicativos e como ter sucesso, através da experiência do usuário.

“Agora a gente está em um outro ponto: como manter esse usuário engajado no meu aplicativo? Porque, por exemplo, eu baixo um aplicativo de compra, ‘vou lá, comprei a roupa, mas porquê que eu tenho que manter esse aplicativo? O que ele oferece que me faça abri-lo todo dia ou pelo menos uma vez por semana?’ E aí é esse desafio que a gente vive: como deixar o aplicativo um atrativo e essencial para o usuário”, comenta Lucas.

A Jocasta, como representante da Loft, contou um pouco sobre o rápido crescimento da empresa e dividiu alguns segredos. O aplicativo da Loft foca em vender um “sonho” de forma fácil, sem burocracia, sem estresse e com segurança:

“Dito isso, fica claro que existe uma obsessão por atender o cliente da melhor forma possível, estar presente com ele, e disso veio a necessidade do aplicativo que para o usuário é muito mais prático e é nele que a gente está construindo a melhor experiência possível”.

“Super Apps”, o segredo para não ser desinstalado

No Brasil a maioria dos celulares são Android de modelos mais simples e, por isso, usuários não têm espaço para ficar com diversos aplicativos de função única ocupando suas memórias. Logo, o aplicativo menos usado perderá a sua vez e será desinstalado. Como evitar isso?

Na visão de Lucas: “Super Apps, que são aplicativos como Magazine Luiza, Americanas, iFood, 99, oferecem múltiplas experiências e focam bastante na recorrência do usuário dentro deste aplicativo”. 

Nesses Super Apps, “você pode fazer seu mercado, administrar o seu cartão de crédito ali dentro, pagar fatura, isso tudo é muito vantajoso, porque aí o usuário, no final, fala: ‘eu já tenho esse aplicativo aqui, eu não preciso de outro porque ele contém tudo o que eu estou procurando’. Acho que essa facilidade é o caminho para se manter o usuário”.

e-book mobile growth

Já Jocasta, apesar de manter o discurso de que “a gente está em uma época que está rolando a corrida dos Super Apps. São várias empresas tentando emplacar e se consolidar como uma solução para vários problemas diferentes”, tem outro ponto de vista. Ela diz que nem todos os aplicativos têm condição para isso e está tudo bem oferecer uma solução específica desde que agrade os usuários atuais tão exigentes.

Jocasta também acrescenta um fator determinante para saber se seu app será mantido ou desinstalado: 

“O tempo de carregamento é algo muito crítico, um segundo para mais ou para menos é algo impactante o bastante para mudar o ponteiro de uma faixa de comunicação. Se ela não é clara, objetiva e o cliente precisa pensar para entender o que que você está falando, aquilo pode causar um desengajamento e aí (…) se não encontrar o que ele esperava, ele vai embora”.

“Se a gente conseguir não atrapalhar o cliente além de oferecer bons produtos e, enfim, o que o nosso app se propõe a fazer, já ajuda muito para que o app tenha sucesso”, finaliza. 

Tendências, plataformas e ferramentas recomendadas para os aplicativos

Quando questionados, Jocasta e Lucas pensam em personalização e recomendação como principais tendências não só para 2022, mas também para o futuro. Uma realidade com níveis de recomendações absurdas e com empresas cada vez mais olhando para as pessoas de forma única está próxima.

Como a própria Jocasta comenta, existem muitas variáveis entre usuários: localização, tamanho da família, se estuda, se trabalha, o momento que está vivendo, entre outros. Com o passar do tempo vamos conseguir considerar melhor e fazer recomendações mais eficazes para fazer o cliente sentir que ali é o lugar certo dele.

Lucas acrescenta que, para os aplicativos, existem também duas tendências importantes que vem crescendo: agilidade e praticidade, quanto menos steps o usuário tem que fazer, quanto menos dados o usuário tem que dar, melhor a taxa de retorno. Essas duas estão muito em alta e tudo indica que devem crescer cada vez mais.

Quanto a plataformas, Jocasta comenta sobre a importância da FireBase para se comunicar com o seu GA e também pegar os eventos do seu aplicativo e passar para o Google de forma mais ágil do que qualquer outra ferramenta sendo extremamente poderosa para analisar a saúde do seu aplicativo.

Para iniciantes, Lucas recomenda o uso das ferramentas básicas: Google Console e o Itune Connect.

Com elas você recebe o acesso a dados de performance no começo, no lançamento, de um aplicativo, tem acesso aos números de impressões, taxa de conversão, quais canais trazem mais taxa de conversão, como está a saúde do seu aplicativo, quais as reviews, tudo para fazer as análises gerenciais. 

Concluindo, entendemos que é preciso facilitar e não atrapalhar o cliente, tentar oferecer mais de um serviço no seu app, prestar atenção nas tendências e analisar seus dados com as melhores ferramentas. 

E aí, curtiram a nossa conversa com a Jocasta e o Lucas? 

Então, você precisa ouvir a nossa conversa na íntegra! Tem muito mais coisa interessante por lá. Clique no link e aproveite!

 

Nos vemos no próximo episódio!