fbpx

Monetizar app: saiba quais são as alternativas para ganhar dinheiro com o seu aplicativo

Postado em 29 de março de 2019.

Sem tempo para ler o artigo inteiro? Aperte o play e ouça a versão em áudio.

Existem milhões de aplicativos nas lojas on-line. Entre eles, há opções para compras, entretenimento, organização entre outras centenas de possibilidades. Mas como fazer com que a sua ideia se transforme em dinheiro? Neste artigo, detalhamos as melhores estratégias para monetizar app.

De acordo com um relatório divulgado pelo App Annie, em 2018, foram realizados 113 bilhões de downloads de apps na App Store e Google Play. Entre os aplicativos mais baixados, Mark Zuckerberg — quinta pessoa mais rica do mundo — é dono do top 3 da lista: Messenger, Facebook e WhatsApp, respectivamente.

Mas a surpresa ficou por conta do aplicativo chinês de vídeos curtos, TikTok, lançado em 2016 e que figura no 4º lugar (com cerca de 130 milhões de usuários), desbancando redes sociais conceituadas como Instagram e Twitter. Viu como é possível bombar um app? Por isso, não ignore sua ideia, você pode ser o próximo na lista da Forbes.

Apps pagos: a maneira mais tradicional

Utilizada, principalmente, em aplicativos que oferecem serviços mais complexos, optar por cobrar o uso de seu serviço pode causar um baixo índice de downloads, mesmo com os dados assombrosos citados anteriormente. E, apesar de ser a prática mais tradicional de monetização até hoje, falaremos sobre outras formas de monetizar um app.

Anúncios em apps gratuitos

Uma das explicações para o boom dos downloads de aplicativos no mundo é a migração dos usuários dos portais para aplicativos, devido a uma melhor interatividade e usabilidade. Seguindo a tendência, a publicidade também migrou para os apps, trazendo dinheiro aos desenvolvedores.

Nesse caso, durante a navegação do cliente no app, aparecem ads em forma de banners e vídeos — de uma forma que seja rentável, mas que não faça o usuário perder o interesse no aplicativo. Para disponibilizar as propagandas, é preciso utilizar um serviço de ads. Google Admob e a Rede de públicos do Facebook estão entre as plataformas mais utilizadas. Entenda um pouco mais sobre elas:

Google Admob

O Google Admob foi desenvolvido para ajudar quem pretende monetizar o seu aplicativo com ads no app. Além disso, ele também pode ser utilizado para divulgação do seu produto, anunciando em outros apps para conquistar novos downloads para você.

Rede de públicos do Facebook

Já a Rede de Públicos do Facebook, recém implementada no Brasil, oferece serviços semelhantes a ferramenta do Google, mas com uma pequena diferença: os anúncios que aparecem no seu aplicativo serão os mesmo da rede social.

In-App Purchases: o que é?

Um modelo de negócio aplicado por muitas empresas, elas oferecem o download do aplicativo gratuitamente, mas passa a cobrar alguns serviços exclusivos no produto. Nesses casos, dentro da loja virtual, abaixo do botão para instalar, aparece a mensagem “compras dentro do app”.

Essa tática é muito comum em jogos — como Pokémon Go, Clash of Clans ou Minecraft — em que o usuário terá a opção de comprar recursos dentro do aplicativo.

Freemium = Free + Premium

Essa simples soma é o que resume o modelo de negócio. Nele, são criadas duas versões de um mesmo aplicativo. Na primeira, completamente gratuita (free), serão disponibilizados aos usuários apenas alguns serviços, como uma espécie de aperitivo.

Após atrair o cliente, haverá a segunda versão, a paga (premium). Essa estratégia é utilizada em diversos segmentos e tem como objetivo conquistar os downloads de forma gratuita para depois o usuário se propor a pagar pelo seu produto.

Assinaturas: o app é gratuito, o serviço não

Semelhante ao que aconteceu com os anúncios, que migraram para os aplicativos quando o público trocou os sites convencionais, e até canais de televisão, pelos apps, alguns serviços de assinatura trocaram o modelo convencional para serem oferecidos exclusivamente através de aplicativos.

No esporte, o canal de TV em pay-per-view, Premiere, possui assinatura exclusiva para usuários no aplicativo. Serviços de streaming, como Spotify, Deezer ou Netflix, possuem o mesmo conceito. Não se paga para fazer o download, mas é preciso contratar pacotes para acessar os serviços.

Vendendo serviços: uma velha nova forma de ganhar dinheiro

A prática de delivery é muito antiga. Aliás, quem nunca ligou em uma pizzaria e esperou seu pedido chegar em casa? Porém, com o poder e a influência do mobile cada vez maior no dia a dia dos usuários, esse serviço chegou aos aplicativos e se tornou uma das formas de como monetizar um app.

Empresas como iFood, Rappi, Glovo, Uber Eats vêm surgindo desde 2010 com a proposta de cobrar por uma taxa em cima de cada serviço comercializado dentro do app. Fora do ramo alimentício, empresas como Uber e 99Taxi são outros negócios com a mesma filosofia de cobrança.

Essas são só as principais formas de monetização do mercado, mas você pode adaptar o melhor modelo para o seu negócio.

Quer ficar antenado sobre todas as novidades de mobile marketing, assine nossa newsletter.

: